Notícias

Em Palmas, profissionais da comunicação e policiais militares debatem sobre as influências e responsabilidades da PM e da Mídia no contexto midiático

13/06/2017 - Lara Tavares /Governo do Tocantins

Policiais Militares, profissionais da comunicação, acadêmicos de comunicação e civis participaram na tarde, dessa terça-feira, 13, do debate acadêmico Mídia e Polícia Militar-Perspectivas de Influência, no auditório do Quartel do Comando Geral da Polícia Militar, em Palmas. Na ocasião, além da apresentação do documentário realizado por capitães da corporação do Curso de Aperfeiçoamento de Oficiais (CAO), que promoveu o evento, houve ainda a apresentação de eixos temáticos por profissionais da comunicação.

A mesa foi composta pelos jornalistas, Fernando Hessel, Cleber Toledo e Roberta Tum, pela Doutora em Comunicação, que mediou o debate, professora Suzi Américo, pelo coronel Marcelo Soares Falcão, subchefe do Estado Maior da PM, pela subsecretária de Comunicação do Estado, Ivonete Mota, pelo chefe de gabinete do Governador e jornalista, Rogério Silva, pelo Chefe do Estado Maior da PM, coronel Edvan de Jesus Silva, e, pelo comandante geral, coronel Glauber de Oliveira Santos.

O comandante geral da PM, coronel Glauber discursou sobre a importância do trabalho realizado pelas duas instituições, Polícia Militar e Mídia, e destacou  ainda a importância do diálogo entre as mesmas, para que o cidadão tenha acesso a informações verídicas e transparentes.” As duas instituições possuem grande peso de influência sobre a sociedade, e, exatamente por isso devem pautar suas ações no respeito e responsabilidade, em razão do impacto que podem gerar”, pontuou.

Logo após, a mediadora do debate, a professora Doutora em Comunicação, Suzi Américo, proferiu as regras do debate, inclusive sobre o formato de perguntas e respostas feitas ao final da apresentação de cada eixo. Em seguida, com o tema discurso de poder e o limite entre a factualidade e o sensacionalismo midiático, o jornalista Fernando Hessel iniciou sua apresentação falando acerca da evolução da comunicação.

O jornalista discutiu ainda sobre os impactos da notícia que tem sido permeabilizada pela internet, o que acarretou na democratização da informação. Com isso, Hessel relatou sobre a importância, que não cabe somente ao profissional de comunicação, ao se divulgar informações e fotos. “É preciso que haja sempre o senso de responsabilidade com a notícia e a informação”, argumentou.

Já na discussão do segundo eixo do debate, influência exercida pela PM no contexto social, o subchefe do Estado Maior da PM, coronel Falcão, tratou de temas relacionados à atividade profissional miliciana. O subchefe abordou ainda a capilaridade institucional da PM que atua nos 139 municípios do Estado e dos seus vetores de atuação social. “O policial militar é um agente armado e fardado que representa o Estado. O poder que o militar exerce direta e indiretamente na vida do cidadão é imensurável, seja em referência ao socorro, ao auxílio, à defesa da vida e dos direitos humanos, e, até mesmo quanto à moral”, exemplificou o coronel.

Em sequência, o chefe de Gabinete do Governo, Rogério Silva, debateu sobre o terceiro eixo temático:responsabilidade social no contexto da informação. Em sua abordagem, o chefe de Gabinete frisou diversas formas de obtenção da informação e sobre a responsabilidade ao divulgá-las. “A incansável busca pela verdade da informação, que hoje em dia é rasa devido à falta de tempo de apuração, é de responsabilidade daquele que a posta”, disse ao pontuar que as novas tecnologias [internet] revolucionaram e revolucionam os modelos tradicionais de comunicação.

Segundo Rogério Silva, as informações não são mais destrinchadas, e, a partir disso surgem notícias inverídicas ou mesmo exageradas. No caso da PM essa ressalva deve ser colocada na conta, uma vez que a corporação lida diariamente com o imediatismo, já que as ocorrências não têm hora e nem local para ocorrerem.

Com a interação com os participantes que fizeram diversas perguntas sobre cada eixo temático, a Polícia Militar  e profissionais da comunicação salutaram a importância do elo de comunicação entre as instituições, sem abrir mãos das vertentes ideológicas de cada uma,  e sobretudo, baseado no respeito e responsabilidade social, já que ambas possuem poder de influenciar à sociedade.

Compartilhe esta notícia